Estudando em meio ao caos

Como seria estudar num país como o Sudão do Sul? Anos de guerras, um sem-número de refugiados, uma falta de infraestrutura sem tamanho, uma diversidade cultural que desafia os moldes da unidade colonizadora, falta de professores e mão-de-obra especializada. Estes e outros muitos desafios marcam a educação num dos países com maior índice de analfabetismo do mundo. O número é ainda maior quando leva-se em consideração a questão de gênero: o de estudantes do sexo feminino é baixo.

Nas comunidades Lopit, região onde conseguimos mapear um pouco mais a realidade, a realidade podem ser ainda mais alarmantes. Grande parte dos homens adultos estudaram fora do país – a maioria em Uganda – como consequência da guerra. O interessante que a educação nos países vizinhos é em inglês e uma simples conversa, ou tentativa de conversa, na língua revelará o caos e a qualidade da mesma.

Por aqui a educação formal compete com as atividades que sustentam a vida nas comunidades. Trabalhar nas plantações e seus preparativos é uma obrigação para a maioria das meninas e para grande parte dos meninos. No caso dos últimos soma-se as atividades com o gado. No caso das meninas, cuidar da casa e dos irmãos.

Estudar significa gastos também. As taxas geralmente são pagas com gado quando nas comunidades. Como as meninas são questão de lucro para os pais – estes receberão o dote em vacas e cabras – seria um prejuízo gastar com a educação delas.

Muitos dos trabalhos contam com a colaboração de ONG’s e igrejas, desde a construção e materiais para os alunos, até professores voluntários.

Neste pequeno ensaio registro escolas em três diferentes vilas Lopit: Lohutok, Iboni e Ohilang.

Em Lohutok a presença de ONG’s e missionários foi grande por anos e a comunidade possui um nível maior de desenvolvimento. Em Iboni a escola foi construída pela igreja católica e continua sob sua supervisão. Em Ohilang a escola luta para continuar. O prédio foi construído com a ajuda de missionários, mas a comunidade não vê educação como algo construtivo, isso em todos os níveis.

Confira as fotos na Galeria School.